sábado, 31 de janeiro de 2009

Espaço - A próxima geração

Em 1957, a União Soviética lançou o Sputnik, cápsula do tamanho de uma bola de basquete e primeiro satélite artificial da Terra. Os sinais de rádio do Sputnik soavam como “provocação”, desabafou um cientista americano. No ano seguinte, os EUA criaram a Nasa, iniciando a corrida espacial.
Foto de Mark Thiessen; modelo cortesia da NASA/National Space Science Data Center

O Robonaut, um assistente a robotizado dos astronautas da missão lunar Constellation, é capaz de brandir grandes cortadores de pinos e manipular a menor das pinças. Em sua posição de centauro (acima), o Robonaut pode ser acoplado a uma base de quatro rodas. Equipado com câmeras para ter visão em estéreo, pode ser operado por meio de controle remoto com intervalo de apenas cinco a dez segundos.
Foto de Mark Thiessen

Designado para agüentar temperaturas de -151°C a 115°C, a roupa espacial Mark III passa por testes na quadra lunar do centro espacial Johnson. Com seu sistema de sobrevivência acoplado, a roupa é pesada, com 136 quilos. Mas o peso não incomoda com a baixa gravidade, e os astronautas podem pular e plantar bananeira como se estivessem embaixo da água.
Foto de Mark Thiessen


Dois integrantes do Desert RATS (Research and Technology Studies – Estudos de Pesquisa e Tecnologia) da NASA deslocam-se pelo deserto do Arizona para testar um veículo de transporte de superfície. O trajeto foi escolhido para imitar o terreno da lua e de Marte, No entanto, há discussão a respeito de se os seres humanos devem mesmo viajar para outros planetas.
Foto: NASA

Durante teste no Sandia National Labs, no Novo México, cerca de 5 mil espelhos concentram a luz solar num intenso raio que vaporiza a superfície de escudos ablativos de calor na capa externa de uma espaçonave. Esses painéis, ou escudos, são concebidos de forma a perder massa na reentrada do veículo na atmosfera terrestre, protegendo-o de um ambiente mais quente que a superfície do Sol.
Foto de Mark Thiessen

Cinturões de nuvens espiralados – compostos de amônia, sulfido de hidrogênio e água – encobrem Júpiter neste mosaico criado com 27 imagens tiradas pela sonda Cassini. Lançada em 1997, a Cassini passou por Vênus, Terra e Júpiter de modo a ganhar velocidade e disparar para seu último destino: Saturno.
Foto: NASA/JPL/Space Science Institute

No dia 31 de julho de 2001, fazia dois meses que Marte era acometido por tempestades de poeira. Com centros múltiplos, esta tempestade gigantesca encobriu quase todo o planeta: chegou até a mascarar a brancura do círculo polar.
Foto: NASA/JPL/Malin Space Science Systems

As câmeras com lentes grande-angulares da sonda Mars Global Surveyor capturaram o início de uma série de tempestades de poeira em Marte. Em junho de 2001, o ar frio da calota polar meridional se deslocou para o norte, indo ao encontro dos ventos equatoriais quentes, e deu origem às primeiras tempestades.
Foto: NASA/JPL/Malin Space Science Systems

Distante 11 milhões de quilômetros, a Voyager I transmitiu a primeira imagem da Terra e da Lua juntas em 1977. Depois, partiu para o espaço profundo, em uma jornada de 30 anos ainda em curso. Sondas não-tripuladas como ela coletam informações sobre as galáxias a um custo baixo se comparado ao do programa espacial tripulado.
Foto: NASA/JPL-California Institute of Technology


Uma imagem computadorizada, criada por Lockheed Martin, mostra a cápsula espacial shows Orion carregando provisões para a Estação Espacial Internacional. O Orion, o veículo designado para a missão Constellation, foi descrito por Michael D. Griffin, administrador da NASA, como “o Apollo com esteróides”. O Orion vai carregar uma tripulação de seis integrantes para a estação espacial e, posteriormente, um grupo de quatro pessoas até a lua.
Imagem: Lockheed Martin Corp


No início dos anos 1950, um posto avançado no espaço em formato de roda não passava de sonho artístico. Hoje, o sonho do ilustrador Chesley Bonestell está quase completo.
Arte de Chesley Bonestell


Em 1984, Bruce McCandles II tornou-se a primeira pessoa a flutuar à solta no espaço. O passeio propulsionado a jato, próximo do ônibus espacial Challenger, foi um marco na jornada rumo ao cosmo – uma aventura que completa 50 anos neste mês.
Foto: NASA

2 comentários:

Mirse disse...

Muito bem feita, a organização, as fotos e a explanação dos fatos.
Parabéns!!

Já indiquei à jovens, e para mim também interessa. Apesar de sr professora de Inglês.

Muito lega, Carlos!

Abraços

Mirse

Pelos caminhos da vida. disse...

Tem selinho da "Proximidade" la para vc.

beijooo.

Geografia e a Arte

Geografia e a Arte
Currais Novos