domingo, 15 de fevereiro de 2009

A guerrilha mais antiga do continente

Por Anselmo Massad
O colombiano Gabriel Garcia Márquez, Nobel de Literatura em 1982, narrou os 32 levantes armados promovidos pelo coronel Aureliano Buendía, todos perdidos, em guerras civis contra os conservadores, em Cem Anos de Solidão (1967). O cenário poderia ser de outros países latino-americanos, mas a inspiração para a ficção veio do país do escritor, na Guerra dos Mil Dias travada entre conservadores e liberais, encerrada em 1902. Variações do coronel Buendía poderiam ser personagens de pelo menos dois outros confrontos internos, nas disputas de 1948 a 1953, período chamado de “La Violencia”, ou no momento atual, em que guerrilhas disputam o controle sobre territórios no país. Os conflitos prolongados têm história na Colômbia.
A disputa entre conservadores e liberais terminou em 1953 com concessões aos liberais e um governo de uma junta militar que abriu espaço para a retomada de eleições com a Frente Nacional. Grupos mais radicais, de cunho socialista, consideraram-se traídos e optaram por manter a luta armada nos anos seguintes.
Um deles, composto por 48 camponeses comunistas inspirados no modelo de Fidel Castro em Sierra Maestra, comandados por Manuel Marulanda – conhecido como Tiro Certo – estavam em Marquetália, município do departamento de Caldas, a noroeste da capital Bogotá, em 27 de maio de 1964. Cercados por tropas do exército, fugiram para as montanhas da região, o que faz da data o marco de fundação da maior e mais antiga guerrilha do continente, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia – Exército do Povo (Farc-EP). A partir de um programa de conquista do poder popular, o grupo cresceu em número de guerrilheiros e em influência, alcançando de 15 a 30 mil integrantes – a depender da fonte – divididos em frentes de ação por todo o território.
Outros grupos de esquerda surgiram no mesmo ano, como o Exército de Libertação Nacional (ELN), de orientação guevarista, e o Exército Popular de Libertação (EPL), com origem nas concepções da Revolução Chinesa. Por outro lado, egressos de guerrilhas liberais desmanteladas com os acordos do fim da guerra civil foram recrutados por latifundiários, formando os primeiros grupos paramilitares.

Fora da regra
Diferente dos conflitos colombianos anteriores, a bipolaridade do mundo à época estava presente com toda a força. A Guerra Fria alimentava esse tipo de conflito, na visão do professor de Relações Internacionais da Universidade Federal Fluminense, Williams Gonçalves. “Na década de 1990, sem a polarização do mundo, houve uma tendência em toda parte no sentido do diá­logo, em Angola, na África do Sul, na América Central, na medida em que se desfez o ambiente favorável ao conflito”, prossegue. A tendência, porém, não encerrou a disputa na Colômbia. Uma das principais razões para a manutenção das Farc, dos paramilitares e de outros grupos guerrilheiros está no tráfico de drogas. “É possível que o tráfico tenha sido a saída para assegurar a conquista de posições territoriais inacessíveis ao Estado colombiano, mesmo com forte apoio financeiro e bélico por parte dos Estados Unidos”, avalia Gonçalves. Para ele, há um aspecto ideológico ao se usar dinheiro do que é considerado o “veneno” da sociedade capitalista para financiar um grupo que luta por uma forma de poder antiimperialista. “Por que não usar o dinheiro do próprio imperialismo?”, resume.

O vínculo com o narcotráfico precisa ser compreendido dentro da dimensão que a atividade adquiriu na Colômbia no final da década de 1970 e com mais profundidade na de 1980, com os cartéis do narcotráfico. Yolanda Pulecio, mãe da senadora Ingrid Betancourt, mantida refém das Farc desde 2002, em entrevista ao portal G1 em novembro de 2006, disse a respeito das relações das Farc com o narcotráfico: “Na Colômbia, o narcotráfico sustenta tudo. Sustenta o Congresso, os congressistas eleitos, sustenta a guerrilha.” Para Luis Varese, jornalista e antropólogo peruano, representante do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur) no Brasil, seria simplismo atribuir exclusivamente ao tráfico a causa da manutenção dos conflitos. “Há fatores políticos e sociais dos atores envolvidos que não podem ser desprezados”, sustenta. Entre esses fatores está o acirramento promovido por acordos de cessar-fogo estabelecidos e descumpridos, além das tentativas de sufocar a guerrilha colombiana pelo uso da força. A mais recente investida, a partir de 1998, foi o Plano Colômbia. Tendo como alvo os “narcoterroristas”, a ação não conseguiu solucionar o impasse, e levou a inúmeros casos de violações de direitos humanos.
Há ainda o fortalecimento dos grupos paramilitares. Criada em 1997, a Autodefesas Unidas Colômbia (AUC), de extrema-direita, é hoje o principal desses grupos. Sua origem deu-se no contexto do governo de Andrés Pastrana, por meio de uma aliança entre a AUC, a direita política e os proprietários de terra para fazer frente ao controle territorial das guerrilhas de esquerda. Mais tarde, entre 2003 e 2005, o Plano Patriota promovido pelo governo uribista levou à desmobilização e deposição das armas por parte da AUC em troca de anistia. Apesar de se declarar inativa, gravações telefônicas apontaram que alguns de seus membros voltaram a operar ou se reorganizaram em outros grupos. Tamanho vínculo entre a AUC e as elites se converteu em problemas para parte das figuras de destaque do Partido de Convergência Cidadã (PCC), do presidente Álvaro Uribe. 13 parlamentares foram presos de fevereiro a maio de 2007, acusados de ligação com paramilitares, incluindo o irmão da chanceler María Consuelo Araújo.

Mediação internacional Luis Varese, defensor de soluções negociadas, destaca a necessidade de engajamento das partes envolvidas diretamente para que qualquer processo de pacificação possa vingar. A observação serve como uma primeira ressalva às intenções manifestas por líderes de outros países na mediação das negociações, além da intervenção das próprias Nações Unidas.
Os presidentes do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, e da Argentina, Cristina Fernandes Kirchner, manifestaram disposição semelhante. Diante de avanços de Hugo Chávez, imbuído nas negociações desde agosto de 2007, sobre o seqüestro de Ingrid Betancourt, que tem cidadania francesa, o presidente Nicolas Sarkozy manifestou interesse em ajudar na negociação da libertação.
Chávez foi desqualificado pelo presidente Álvaro Uribe. O episódio-estopim do rompimento foi um contato telefônico direto entre o venezuelano e o comandante do exército, general Mario Montoya. A disputa terminou em troca de insultos entre os mandatários.
“Não interessa a Uribe e aos Estados Unidos uma mediação bem sucedida do presidente da Venezuela, por menor que fosse o avanço”, avalia Gonçalves. No caso de Lula, a mediação pode ter mais chances de sucesso, na medida em que ele representa uma linha à esquerda menos conflituosa e mais moderada.
Gonçalves ressalva que, ao se referir aos interesses estadunidenses, não quer dizer necessariamente os dos escritórios de Washington, mas do ideário arraigado nas elites e na direita colombiana que, pela proximidade geográfica e pelas relações estabelecidas historicamente, são mais intensos do que em outras partes do continente. O momento em que as negociações mais se aproximaram da paz foram nos acordos e Uribe, em 1984, com cessar-fogo que durou até 1990. As Farc formaram a União Patriótica como braço político institucional, que obteve alguns importantes resultados eleitorais. Jaime Pardo Leal se lançou candidato a presidente pela UP e obteve o maior número de votos alcançado até então por um partido que não seja os tradicionais Liberal e Conservador. Foi assassinado em 1987, assim como o senador Manuel Cepeda Vargas, em 1990.
Desde a fundação da UP, o número de mortos e desaparecidos chegou a 3.500. Os sobreviventes de massacres e atentados ficam em torno de mil e muitos até hoje sofrem ameaças e têm que viver de forma clandestina. O episódio é o ponto de partida do livro Walking Ghosts, do jornalista estadunidense Steven Dudley – sem edição brasileira. O porta-voz das Farc, Raúl Reyes, declarou no dia 20 de dezembro de 2007 que a condição para a libertação de todos os reféns é a renúncia de Uribe. Enquanto isso, vivia-se a expectativa de libertação de Betancourt e mais duas seqüestradas, com participação de Chávez e do governo francês, que ofereceu asilo político aos guerrilheiros das Farc que eventualmente venham a ser libertados pelo governo colombiano. Toda a disposição da comunidade internacional pode fazer parte do começo de uma mudança ou apenas inspirar outros livros para tentar explicar os conflitos.



Refugiados de uma guerra política Uma das dimensões do conflito colombiano é o contingente de deslocamentos forçados provocado por sua continuidade. Enquanto Betancourt mobiliza parte do noticiário, o sacerdote belga François Houtart, secretário-executivo do Fórum Mundial de Alternativas, pede que os refugiados não sejam esquecidos. Em artigo publicado no jornal chileno El Clarín, no dia 16 de dezembro, ele conta que presidiu o Tribunal Internacional de Opinião sobre Deslocamentos Forçados na Colômbia, realizado na capital federal, Bogotá.
“Segundo o veredito do tribunal, se trata de uma crise estrutural”, sustenta. “Desde meados dos anos 1980, os narcotraficantes decidiram trazer suas divisas ao país e as lavar mediante a compra de grandes extensões das melhores terras. Os cartéis do narcotráfico, junto com setores da oligarquia, da classe política e as forças militares criaram uma nova versão do paramilitarismo, sob o pretexto de lutar contra a insurgência”, conclui.

Nesse contexto, ele aponta a concentração de terras nas mãos de latifundiários e grandes empresas, incluindo multinacionais como mineradoras e conglomerados de extração de petróleo, além das voltadas ao agronegócio, como principal causa para o crescimento do número de deslocamentos forçados no país.
Organizações de defesa dos direitos humanos apontam 3 milhões de deslocamentos internos e 2 milhões de refugiados em outros países. O Acnur trabalha com números mais conservadores, 2,5 milhões internamente e 1,5 milhões em outros países, como reconhece o representante do órgão no Brasil, Luis Varese. Parte dessas pessoas se consideram perseguidas pelas Farc, parte pelos grupos paramilitares ou mesmo por narcotraficantes.
A busca por outros países é um movimento que cresce desde o final dos anos 1990. A Venezuela abriga meio milhão deles, o Equador entre 200 e 300 mil. Na Costa Rica, a estimativa é de 60 mil e no Brasil, entre 15 e 20 mil. Os índices relacionados à Europa e à América do Norte são inferiores. Seja por desconhecimento, seja por considerarem desnecessário, nem todos chegam a solicitar a condição política de refugiados, nos locais onde buscam abrigo, o que torna mais complexo lidar com a questão.
No Brasil, o órgão responsável pela concessão do asilo e pelo alocamento dos deslocados em 22 cidades de quatro estados é o Comitê Nacional para os Refugiados (Conare), ligado ao Ministério da Justiça, formado por representantes de mais quatro ministérios, além da Polícia Federal, e integrantes da Cáritas Arquidiocesana de São Paulo e Rio de Janeiro e da Acnur.
Os refugiados recebem apoio por um período limitado de seis a 12 meses para garantir sua sobrevivência enquanto buscam sua auto-suficiência. Com apoio de quatro diferentes ONGs em cada um dos estados onde há refugiados, busca-se a integração às comunidades onde eles são assentados.
Revista Forum

4 comentários:

UMA PAGINA PARA DOIS disse...

Ah! Tempo!
Nunca quis voltar em ti.
Apenas espero que me devolvas
os sentimentos que vivi.
Não deixes que meu sorriso
se perca pelo cansaço
e que minha voz
se cale por um fracasso.
Não deixes que meus caminhos
se desviem da meta
nem que os percalços
sejam maiores que minha força
para que eu siga esta reta.

Passei neste lindo espaço para te desejar uma linda semana
Abraços

Mirse disse...

Muito boa a aula/postagem. Há muita coisa ainda esquecida debaixo do tapete. Os AES por exemplo. Acredito que teremos ainda uma longa jornada e sem líderes. O PODER e a compra ou posse de territórios, assemelha-se muito ao que acontece hoje no Rio de Janeiro.

Parabéns!

Abraços

Mirse

Eduardo Santos Carneiro disse...

Caro Geografia no vestibular
Acho o blog GEOGRAFIA hoje muito interessante, com vários temas actuais, parabéns.
EC

singamaraja disse...

Singamaraja readings your blogs

Geografia e a Arte

Geografia e a Arte
Currais Novos