sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Corredor verde


A maior área de preservação ambiental do mundo fica, agora, na Amazônia brasileira. Trata-se de um corredor de 3.000 quilômetros de extensão que abrange um território maior do que o da França. Ele é duas vezes maior do que a faixa contígua formada pelas reservas Vilcabamba-Amboró, na Bolívia e no Peru, até então a mais extensa do planeta. Boa parte da área de conservação brasileira já havia sido criada nos estados do Amazonas e do Amapá. Há duas semanas, foi completada por cinco reservas instituídas pelo Pará na margem norte do Rio Amazonas. O novo trecho é conhecido como Escudo das Guianas e está situado na parte mais alta da Amazônia. A região é montanhosa e, ao contrário do resto da floresta, não chegou a ser inundada nem mesmo durante os períodos de degelo que se seguiram às eras glaciais. Como permaneceu seca por 10 milhões de anos, tornou-se o berço de boa parte das espécies da fauna e da flora que formam a exuberante biodiversidade amazônica.

Hoje, vivem nessa região do Pará mais de 1 000 espécies de aves, mamíferos, répteis e anfíbios. Algumas delas ainda não foram sequer catalogadas pelos biólogos, como o sapo azul e laranja, que pode ser visto numa das fotos ao lado. A sobrevivência desses animais depende de um delicado equilíbrio ambiental, que só permaneceu intacto até hoje porque a margem norte do Rio Amazonas está longe de áreas exploradas economicamente. Madeireiros e agricultores não impuseram obstáculos à criação dessas reservas. Em contrapartida, obtiveram do governo paraense a promessa de liberação do uso comercial de áreas que já haviam sido desmatadas ilegalmente. Conseguiram ainda que o estado garantisse que não criará outras unidades de conservação. "As reservas já tomam 65% do Pará. Agora, chega", diz Agamenon Meneses, da Federação da Agricultura do Estado. Mas as árvores e os bichinhos chegaram antes, Meneses, é bom não esquecer. 20 de dezembro de 2006

Revista Veja

Um comentário:

Rodrigo Marcilio disse...

Muitas das doenças pelas quais estamos sendo acometidos neste inicio de século XXI como o Infleuenza H1N1 apelidado de gripe Suina, sem falarmos da Espanhaola e Aviária tão populares quanto seus primos. São em minha opinião devido ao descaso com a Natureza, ao desmatamento e poluição que destroe habitats, especies, deseiquilibrando o escossistema, trazendo pestes antes controladas por seus predadores naturais... tal como a ideia popular de caos do bater de asas de uma borboleta na ásia, capaz de provocar terremostos, maremotos e tufões em outras regiões do mundo, é o que vemos acontecer num processo em cadeia maior...

Como diz o Chefe Seatlle em sua famosa Carta, "O que o Homem faz a Terra, faz a si mesmo" estamos todos interligados por um mesmo fio... o que fizermos a natureza, aos animais e plantas, se voltará contra nós mesmos... ainda nesta carta o mesmo fala que iriamos morrer sob os nossos próprios dejetos debaixo do nosso travesseiro, bem isto é o que já vem acontencendo com a poluição, esgotos lançados a omar, a poluição de rios e mares, e consequentemente a contaminção de toda flaura e fauna pela qual nos alimentamos...

Exceto possamos diminuir o consumo e aplicarmos uma visão sustentável, que hoje consumimos em mais de 3 vezes a capacidade do planeta se regenarar, até 2050 não haverá muito mais do planeta para contar história...

excetto é claro caso Gaia, o maior de todos os seres vivos, não expulsem seus filhos "malcriados" de como quem repele um vírus !!!

Afinal a vida é sempre maior do que a força da destruição, a vida nasceu do caos, e se dispersa no caos...

namastê !

Geografia e a Arte

Geografia e a Arte
Currais Novos